segunda-feira, 18 de junho de 2018

ACONTECE POR AQUI | NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO  

FESPSP cria Núcleo de Apoio Psicopedagógico aos alunos e docentes

Ser estudante é uma experiência cheia de oportunidades, privilégios e conhecimento, mas não é um processo fácil e simples. Criado a partir da preocupação com os problemas educacionais e levando em consideração as dificuldades enfrentadas pela comunidade escolar da instituição, o Núcleo de Apoio Psicopedagógico (NAP) é uma iniciativa da FESPSP que será comandado pelo Prof. Dr. Sergio Luis Braghini. O objetivo é propiciar um espaço de escuta – individual ou em grupo – que possibilite:


Apoio ao aluno novo, em atividades que vão da orientação até o auxílio na integração à Faculdade, aos colegas e, por vezes, à cidade;

Apoio ao aluno em repetência, que procura auxiliar o estudante, levando em conta os fatores que estão em jogo nesse processo;

Apoio ao aluno em situação de crise, quando a desestabilização que o aluno vive interfere diretamente em sua capacidade de aprendizagem;

Apoio ao aluno monitor, ao buscar fortalecer a identidade dos monitores e auxiliá-los nas dúvidas acerca dos projetos de pesquisa a que estão vinculados;

O contato neste primeiro momento acontecerá exclusivamente pelo e-mail: nap@fespsp.org.br Psicanalista, Braghini é mestre em Psicologia Escolar e da Educação pela PUC-Campinas e doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP. Tem experiência em atendimento em ensino, educação e assessoria em projetos educacionais e há 29 anos atende em clínica, ambulatório de saúde mental e comunidades terapêuticas. É docente em cursos de graduação e pós-graduação da FESPSP e coordenador do curso de pós-graduação em Psicossociologia da Juventude e Políticas Públicas na FESPSP. 



ARCABOUÇO ACADÊMICO | BATE PAPO - MÍDIAS INDÍGENAS 

Mídias Indígenas

Quarta-feira às 19:3021:30
Gratuito
Com Maria Alice Campagnoli Otre, José Ribamar Bessa Freire e Reanata Tupinambá

Bate-papo gratuito sobre a representação de indígenas nas mídias tradicionais, assim como as articulações de mídias alternativas referentes às pautas e reivindicações de povos indígenas desde a década de 70.

Maria Alice Campagnoli Otre é doutora e mestre pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), com pesquisas enfocando a comunicação popular, alternativa e comunitária. Possui graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Marília e graduação em Tecnologia em Produção Publicitária pela Unigran. É professora da Universidade de Marília, atuando no curso de Comunicação Social. É membro do Núcleo de Pesquisa Comuni - Comunicação comunitária e Local, do POSCOM/Umesp, desde 2007.

José Ribamar Bessa Freire é professor da Pós-Graduação em Memória Social da UNI-Rio, orienta pesquisas de doutorado e mestrado e da Faculdade de Educação da UERJ, onde coordena o Programa de Estudos dos Povos Indigenas. Cofundador do Jornal Porantim, de 1978, quando a questão indígena adquiriu relevo entre os jornais alternativos. A partir de junho de 1979, ampliou sua distribuição e adotou o formato mini-tablóide, que mantém até hoje.

Renata Tupinambá é indígena da etnia Tupinambá, jornalista, poeta, roteirista e produtora. Trabalha e pesquisa a comunicação voltada para as etnomídias, descolonização dos meios de comunicação e fortalecimento das narrativas indígenas. Ela é uma das idealizadoras e coordenadoras da Rádio Yandê, primeira web rádio indígena brasileira. Atua desde 2008 com comunicação indígena. Possui publicações de textos em mídias como Indian Country Today Media Network, elorejiverde, Yepan Revista de Cine y Comunicación de los Pueblos além da Rede índios Online, Portal Índio Educa e Rádio Yandê. Foi colaboradora e voluntária na área de etnojornalismo no portal Índios Online, que realiza um diálogo intercultural, promovendo a comunicação e a difusão da informação entre várias comunidades indígenas do Brasil. Fez parte do Projeto Índio Educa resultado da parceria entre Thydêwá em Ilhéus na Bahia, BrazilFoundation e Embaixada dos Estados Unidos da América no Brasil. Que veio atender ao Plano de Ação Conjunto Brasil – Estados Unidos para a Promoção da Igualdade Racial e Étnica (JAPER).

>> Retirada de ingressos com 1h de antecedência na Central de Atendimento <<
Local: Espaço de Leitura (3° andar).



EM CARTAZ | DOCUMENTÁRIO: EX-PAJÉ

DOCUMENTÁRIO: EX-PAJÉ

DIREÇÃO: LUIZ BOLOGNESI

Exibição do documentário seguido de discussão com o diretor.

Local: Auditório 100A – 1º andar - Prédio Bandeira de Melo PUCSP

Data: 22 de junho de 2018 às 14 h
Promoção: 

Programação da disciplina: Gilles Deleuze: Tempo, vida e política

Profª Silvana Tótora
ARCABOUÇO ACADÊMICO | A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA BUSCA DO DIREITO À CIDADE

A Fundação Tide Setubal realizará no dia 04 de julho, a partir das 14h30, o projeto Vozes Urbanas, desta vez com o tema "A participação social na busca do direito à cidade". O debate contará com: Ciro Biderman, Luiza Lins Veloso, Benedito Barbosa e Mafoane Odara (mediação). 


Data: 04 de julho, quarta-feira.
Horário: das 14h30 às 18h30.
Endereço: Av. Nove de Julho, 2029, 4° andar
ARCABOUÇO ACADÊMICO |  4° SEMINÁRIO DISCENTE 

O Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo (PPGS- USP) convida discentes e docentes a participarem do IV Seminário Discente do Programa, que será realizado entre os dias 20 e 23 de agosto de 2018. O seminário, que integra o calendário de atividades do Programa, tem a finalidade de promover a circulação dos estudos produzidos no âmbito do Departamento de Sociologia, ou que dialoguem com seus temas. A apresentação dos trabalhos aprovados será feita na forma de Sessões Temáticas e será aberta ao público interessado.

Poderão submeter propostas para apresentação:

1. Discentes com pesquisas em andamento, ou finalizadas em 2018, pós-doutores e docentes do PPGS-USP.

2. Discentes dos demais programas de pós-graduação da USP ou de outras universidades, que desenvolvam pesquisa em diálogo com a abordagem sociológica.

3. Discentes de graduação, para a apresentação de trabalhos em forma de pôster, que tenham desenvolvido projeto de iniciação científica sob a orientação de docentes do Departamento de Sociologia nos anos de 2017 e 2018.

Regras para apresentação de propostas

Discentes de pós-graduação e docentes do PPGS-USP:

1. Propostas individuais: cada interessada/o poderá participar no seminário discente com apenas um trabalho individual e, no máximo, com mais um trabalho em co-autoria. As propostas devem conter um título, um resumo simples de até 900 caracteres (sem espaços) e um resumo expandido entre 4000 e 8000 caracteres. As/os autora/es das propostas aprovadas poderão enviar artigos completos, de acordo com o cronograma abaixo, de até 20 páginas (excluindo bibliografia), fonte Times New Roman 12, espaço 1,5, margens de 3 centímetros e capa com título, autoria e referência ao seminário.

2. Propostas de STs completas: as propostas deverão compor uma sessão com no mínimo 3 e no máximo 4 apresentadora/es de trabalho (obrigatoriamente com ao menos 1 vinculada/o ao PPGS-USP) e 1 debatedor/a (com titulação mínima obrigatória de doutor/a e preferencialmente externo/a ao PPGS-USP ou que não seja orientador/a dos trabalhos a serem apresentados na sessão). Além disso, as propostas devem ter título, justificativa de no máximo 2.500 caracteres (sem espaços) e resumos simples de 900 caracteres (sem espaços) de cada trabalho individual, bem como a identificação das/os autoras/es de cada trabalho e do/a debatedor/a.

3. Propostas de exibição de materiais audiovisuais, como filmes e ensaios fotográficos: as propostas deverão conter um título, um resumo simples de até 900 caracteres (sem espaços) e um resumo expandido entre 4000 e 8000 caracteres com a descrição do material a ser enviado, do seu formato e da forma preferida para o envio. As/os autora/es das propostas aprovadas deverão enviar seus materiais completos de acordo com o cronograma abaixo.

4. As propostas deverão ser enviadas através do seguinte link:
https://docs.google.com/forms/d/1-rHwUeyLFv6FRxwVMC8gKhPhbLmyYDZ3U9yMIA_Z4Q0/edit

Obs1.: A presença nas sessões e a apresentação de trabalhos contarão como horas nas atividades complementares obrigatórias do PPGS-USP.

Obs2.: Os artigos serão avaliados na mesa, e os melhores serão indicados para passar por seleção na revista Plural, do PPGS-USP, podendo ser publicados posteriormente.

Ob3.: Os materiais audiovisuais serão selecionados para o I Concurso de Filmes e Ensaios Fotográficos do PPGS- USP, a ser realizado em caráter experimental.

Discentes da graduação:

1. Cada discente poderá participar com apenas um trabalho individual. As propostas devem conter um título e um resumo de no máximo 2.500 caracteres (sem espaços).

2. As propostas deverão ser enviadas através do seguinte link:

3. O formato dos pôsteres deverá ser de 120 cm de altura x 90 cm de largura. Os pôsteres deverão contar com (1) título do trabalho, (2) nome da/o discente e (3) nome do/a orientador/a.

4. Os pôsteres selecionados serão apresentados em STs afins, a serem organizadas pela comissão organizadora.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

ARCABOUÇO ACADÊMICO | CLICO DE PALESTRAS 
ILP+FAPESP: REFUGIADOS E MIGRANTES

Para fazer sua inscrição acesse AQUI 

quarta-feira, 30 de maio de 2018

ACONTECE POR AQUI | PALESTRA 

Cientista social e doutor em Comunicação, Massimo Di Felice estará na FESPSP no próximo dia 6 de junho, para a palestra Do público para as redes: as plataformas digitais e a crise da democracia ocidental. O evento acontecerá no auditório da FESPSP (Rua General Jardim, 522 – Vila Buarque – São Paulo/SP – 7° andar), a partir das 19h.
A palestra apresentará o debate teórico sobre os significados da crise da ideia ocidental de democracia descrevendo, ao mesmo tempo, o advento das plataformas digitais e das arquiteturas de redes como o aparecimento de uma inédita morfologia social, cuja compreensão necessita de um novo léxico e de uma nova teoria.
Na ocasião também será lançado o livro Net-ativismo: redes digitais e novas práticas de participação, organizado por Di Felice com diversos autores, entre eles: Michel Maffesoli, Pierre Lèvi, Lúcia Santaella e Stéphane Hugon.
Massimo Di Felice possui graduação em Sociologia pela Università degli Studi La Sapienza (1993), doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutorado em Sociologia pela Universidade Paris Descartes V, Sorbonne (2012). É professor da USP ministrando aulas na graduação e na pós-graduação da Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP). É professor visitante nas universidades: Università Roma III (Itália), Université Paul-Valéry Montpellier III (França) e Universidade Lusófona (Portugal).
85 anos
Neste ano, a FESPSP está completando 85 anos de tradição no ensino das Ciências Sociais Aplicadas, buscando entender e discutir a cidade e o nosso país. Para comemorar, a Fundação está com uma programação especial de cursos de extensão, aulas abertas, PECs (Programas de Enriquecimento Curricular), debates e eventos. Confira tudo o que acontece por aqui no site (www.fespsp.org.br) e venha conosco construir conhecimento e pensar os problemas do conhecimento.
Serviço
Evento: Palestra – Do público para as redes: as plataformas digitais e crise das democracias ocidentais.
Local: Auditório da FESPSP (Rua General Jardim, 522 – Vila Buarque – São Paulo/SP – 7° andar).
Dia: 6 de junho de 2018, quarta-feira.
Horário: A partir das 19h.
Não é necessário fazer inscrição prévia.
A palestra será em português.
(conteúdo disponível em FESPSP
EM CARTAZ | Ciclo de Cinema e Psicanálise 2018


FILMES:

16 DE MAIO - 19h
O FILME DA MINHA VIDA
Selton Melo
Brasil - 2017 - 113 min.
Debatedores: 
Raquel Plut Ajzenberg / Psicanalista membro efetivo da SBPSP
Ondina Clais / Atriz

30 DE MAIO - 19h
ELA
Spike Jonze
EUA - 2014 - 106 min.
Debatedores:
Ignacio Gerber / Psicanalista membro efetivo e docente da SBPSP
Fernanda Mena / Jornalista

13 DE JUNHO - 19h
ME CHAME PELO SEU NOME
Luca Guadagnino
França, Italia e EUA - 2017 - 132 min.
Debatedores: 
Rodrigo Lage Leite / Psicanalista e membro associado da SBPSP e psiquiatra pelo Inst. de Psiquiatria da USP.
Lucas Neves / Jornalista

27 DE JUNHO - 19h
45 ANOS
Andrew Haigh
Brasil - 2015 - 95min.
Debatedores: 
Edoarda Anna Giuditta Paron / Psicanalista membro efetivo da SBPSP, Ex-representante da Cowap, estuda questões de gênero.
Ana Estela Souza Pinto / Jornalista

Entrada Franca - Ingressos distribuídos a partir de 30 minutos antes de cada sessão.

Será fornecido certificado de participação.

A psicanálise ressaltou e validou o saber profundo contido nas fantasias, sonhos e obras de arte. Considerar tal saber é atribuição tanto do método psicanalítico como da proposta do presente Ciclo de Cinema e Psicanálise.

As manifestações inconscientes abastecem a Cultura de múltiplas possibilidades expressivas para as mais variadas formas de manifestações artísticas, estendendo-se para além dos sonhos e sintomas - como descobriu Freud.

Em relação à sétima arte, o contato com a dimensão inconsciente promoveu maior densidade psicológica dos personagens e das narrativas cinematográficas, bem como experiências estéticas inovadoras.

Cinema e Psicanálise deste modo, estabelecem relação dialética, de influência mútua, via de mão dupla em que se retroalimentam. As múltiplas tipologias, comportamentos e dramas humanos vividos nas telas também suscitam novas possibilidades diagnósticas para a compreensão psicanalítica, além de inspirar narrativas de casos clínicos.

Este ciclo pretende discutir, à luz da Psicanálise, algumas questões suscitadas por obras do cinema moderno e contemporâneo, e proporcionar também formas transdisciplinares de compreensão.
O tema, que norteia os debates e a seleção dos filmes, surgiu a partir do ensaio “O mal-estar na civilização”, de Freud (1929). Nele, o autor indaga se o progresso civilizatório e tecnológico não cobrara preço excessivamente alto do indivíduo, na medida em que, ao renunciar à agressividade - como esforço para o desenvolvimento civilizatório - fica destinado a suportar seu retorno em forma de sentimento de culpa e constante mal-estar.

Freud deixou a cargo dos futuros psicanalistas a investigação acerca das formas de sofrimento vindouros, posto que a civilização e suas constantes transformações continuariam a impor ao homem inúmeras coerções pulsionais, maneiras de viver, pensar e adoecer. 

Desdobramentos do mal-estar que marcam a subjetividade e o sofrimento contemporâneos.

Com quais formas de mal-estar e de agressividade presentes no homem, nas artes e na Sociedade temos que nos defrontar igualmente no início do século XXI?

Conteúdo disponível AQUI  

Informações e Inscrições:
tel.: (11) 3512-6111
e-mail: secretaria@sbpsp.org.br
ACONTECE POR AQUI | CURSO FICÇÃO CIENTIFICA E POLÍTICA 


A FESPSP receberá na próxima semana a Virada Política, especificamente os encontros do curso sobre Ficação Científica e Política! As aulas acontecem nos dias 4, 6 e 8 de junho de 2018. Clique aqui para se inscrever. 
Saiba mais:
A Ficção fala daquilo que nos torna humanos: a busca pelo o entendimento do mundo e do eu
 
O projeto
O que é Ficção Científica?
Ela se relaciona de alguma forma com a política?
É possível falar em “filmes políticos”?
 
O curso “Ficção Científica e Política” abordará essas questões, mostrando o fascínio que as boas histórias exercem sobre todos nós. Será discutido o que é política e como a Ficção Científica a trabalha.
 
Quase todo filme ou série de Ficção Científica tem uma moral e apresenta um ponto de vista sobre determinado tema. A defesa desse ponto de vista é feita de forma mais evidente na história, mas também acontece de forma sutil nos elementos estéticos, como os enquadramentos, a maquiagem, a iluminação e a trilha sonora. Todos esses elementos serão analisados, com um destaque especial para a estrutura de criação do mito, usada tanto na ficção quanto na vida real.
 
O curso trará exemplos práticos e proporá debates, buscando identificar como as estratégias narrativas da Ficção Científica são usadas na política. Afinal, ao mesmo tempo em que se alimenta de elementos políticos para retratar a sociedade, a Ficção Científica também tem o poder de gerar debates e interferir na própria política.
 
“Eu não queria fazer um filme sobre como pessoas assumem o controle de uma democracia, queria entender como democracias podem se entregar a tiranos” - George Lucas sobre Star Wars.
 
Sobre os professores:
 
Cláudia Fusco é jornalista graduada pela Faculdade Cásper Líbero e mestre em literatura inglesa com ênfase em ficção científica e fantasia pela University of Liverpool. É pesquisadora de mitos, folclore, contos de fadas e literatura especulativa. Já colaborou com diversas publicações da Editora Abril (como o especial de ficção científica da revista Mundo Estranho) e no blog Nerdices, da revista Superinteressante. Já participou de conferências internacionais e ministrou aulas e cursos na USP, Casa do Saber, Youpix e MIS.
 
Dilson Neto é roteirista graduado em Audiovisual pela Universidade de São Paulo e Mestre em Roteiro pela Edinburgh Napier University. Por dois semestres consecutivos, foi monitor do curso de Dramaturgia Audiovisual da USP, onde prestou assistência no ensino da disciplina e avaliou exercícios. Trabalhou por três anos e meio na produtora Coração da Selva, onde gerenciou os departamentos de Acompanhamento e de Desenvolvimento de Projetos. Atualmente trabalha freelancer como roteirista e script doctor, sendo Membro do Núcleo de Estudos de Dramaturgia da Universidade de São Paulo (Nudrama).
 
Público Alvo: Interessados em geral.
Entrada: Pague o quanto puder.
Data: 4, 6 e 8 de Junho.
Horário: das 19h30 às 22h
Local: Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)
Endereço: Rua Gen. Jardim, 522 - Vila Buarque, São Paulo
 
Orçamento

Todos os recursos arrecadados serão destinados à realização de atividades do calendário de educação política da Virada Política; e financiamento da realização do evento no final do ano.
(conteúdo disponível em: FESPSP )

terça-feira, 29 de maio de 2018

ACONTECE POR AQUI | CONHEÇA A NOVA GESTÃO DO CENTRO ACADÊMICO FLORESTAN FERNANDES - ESP 


Da esquerda para direita: Letícia Monaco, Letícia Longo, Cristiane, Natália Oliveira, Bebel Tritone, Isabella Oliveira (atrás), Juliana, Lene, Camille. 

A Monitoria Científica  bateu um papo com a nova gestão do   Centro Acadêmico Florestan Fernandes - ESP , conheça um pouco mais sobre ela!

Apresentação das coordenadorias 

Administração e finanças - Juliana e Lene

Comunicação e imprensa - Bebel,  Letícia Mônaco e Letícia Longo

Cultura e eventos - Tamires, Cris e Naty

Ensino e pesquisa - Camille,  Marcela e Isabella

Representante da chapa 

Natália

Suplentes 

Lene e Isabella  

Ensino e pesquisa - A ideia é realizar eventos que possam agregar tanto na formação dos alunos como em atividades que possam representa-los de alguma maneira. De início o projeto é abrir uma votação para os alunos, para que estes decidam qual evento gostariam que houvesse, assim como, abrir espaço para estes sugerirem temas. A ideia é decidir juntamente com os alunos a organização dessas atividades. 

Para além disso, a ideia é dar um suporte aos alunos que querem desenvolver algum projeto de pesquisar e não sabe por onde iniciar e nem qual professor procurar - a ideia é desenvolver uma tabela com as informações de cada professor para facilitar na hora do aluno procurar tais informações. 

Outro ponto importante são as atividades complementares - muitos alunos não sabem bem o que são e a que se refere as horas complementares, como fazer e quantas horas são necessárias para a conclusão do curso, o importante é criar um canal de divulgação e passar essas informações para os alunos. Além disso, focar na possibilidade dos alunos trazerem  sugestões para a grade curricular. O que poucos sabem é que essa possibilidade esta dentro do estatuto do C.A. A ideia é propor outras possibilidades como a de termos aula de literatura africana nas aulas de português.  

Administração e finanças - A primeira proposta é abrirmos uma conta bancaria para guardarmos o dinheiro de caixa do C.A para não passarmos por problemas como os anteriores. Nosso foco é cuidar para que o Centro Acadêmico fique mais acolhedor. A principio faremos um inventário de tudo que temos no C.A  por ser propriedade dos alunos é importante olharmos com carinho para tudo isso. A ideia é que os alunos participem dessas mudanças. Abriremos Ata sobre cada reunião para que os alunos fiquem a par de tudo o que acontece no C.A. A aproximação com os coletivos também é um ponto que queremos focar. 

Comunicação e imprensa - A principio a ideia é articular todas as decisões, saber dos alunos o que eles querem, o que precisam. A proposta é colocar um mural na entrada do C.A que chame a atenção e nesse mural disponibilizar as enquetes, que também serão disponibilizadas online (e-mail, facebook e afins). Outro ponto fundamental é dialogar com os representantes de sala, para assim, facilitar a comunicação com os alunos. A ideia também é propor uma ouvidoria para que os alunos nos falem das sua dificuldades  para que o C.A na função de mediador passe todas as informações para a instituição. O e-mail também é uma ferramenta fundamental (chapapresente@gmail.com) pois por meio dele os alunos poderão tirar todas as dúvidas que acharem pertinente. No Drive será disponibilizado todas a atas de reunião onde os alunos poderão acompanhar as documentações e as novas decisões que viermos a tomar.    

Todas as nossas ideias giram em torno da rearticulação do vínculo entre a instituição (FESPSP) e os alunos. Será a prioridade de nossas pautas! 

segunda-feira, 28 de maio de 2018

ARCABOUÇO ACADÊMICO | Vozes Urbanas – Mulheres: equidade de gênero e raça e empoderamento econômico

"O projeto Vozes Urbanas tem por objetivo oferecer um espaço permanente de discussões de temas fundamentais para a construção de políticas públicas capazes de reduzir as desigualdades socioespaciais. Em junho, o debate será sobre "Mulheres: equidade de gênero e raça e empoderamento econômico". Rachel Maia, Kelly Silva Baptista e Mafoane Odara debatem o tema.
** O evento é gratuito e as vagas são limitadas." 

Data: 06 de junho, quarta-feira
Horário: 14h30min às 17h (café de confraternização: das 17h às 18h)
Local: Rua Doutor Tomas Carvalhal, 681- Próximo à estação Paraíso.

Para se inscrever, é só clicar aqui e preencher o formulário.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

ACONTECE POR AQUI | Inscrições para o programa de Tutoria Voluntária

Os Conselhos Acadêmicos da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), especificamente através da Escola de Sociologia e Política (ESP-FESPSP) e da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação (FaBCI-FESPSP) divulgaram na manhã desta sexta-feira, 4 de maio, as novas diretrizes para o Programa de Tutoria Voluntária.
O documento está disponível na Área do Aluno e também pode ser acessado aqui.
O Programa de Tutoria Voluntária (PTV), estimulado pela Fundação, é exercido voluntariamente por alunos e alunas veteranos e por egressos dos cursos de graduaçaõ da FESPSP e se funda no princípio da ação voluntária e não remunerada dos tutores para com alunos e alunas que se disponham também, voluntariamente, a serem tutorados.
As inscrições devem ser feitas diretamente com as Diretoras das faculdades, entre os dias 7 de maio e 4 de junho de 2018.
A divulgação dos tutores e tutorados acontecerá até o final de mês de junho, para início das atividades no segundo semestre. (conteúdo disponível em: http://www.fespsp.org.br/ )
Acesse AQUI e saiba mais 

quinta-feira, 10 de maio de 2018

ACONTECE POR AQUI | CONFERÊNCIA FESPSP 85 ANOS 

Christophe Brochier discutirá o nascimento da sociologia brasileira, no aniversário de 85 anos da FESPSP

Sociólogo francês lançará seu livro pela Editora de Sociologia e Política, no dia 22/05.

A Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) receberá no próximo dia 22 de maio, às 9h, o sociólogo francês Christophe Brochier para o lançamento do seu livro O nascimento da Sociologia no Brasil, pela Editora Sociologia e Política. O evento faz parte das comemorações dos 85 anos da FESPSP, mantenedora da primeira faculdade de Ciências Sociais do País e uma das primeiras Instituições de Ensino a possuir um bacharelado em Biblioteconomia. Desde 2003, mantém também a Faculdade de Administração que forma gestores preocupados com as questões sociais.

Na FESPSP foram realizados os primeiros estudos sobre padrão de vida com ênfase em pesquisas de sociologia aplicada no país. A Escola de Sociologia e Política formou entre seus alunos nomes como Florestan Fernandes, Virginia Leone Bicudo, Oracy Nogueira, Darcy Ribeiro e Sérgio Buarque de Holanda.

O livro apresenta a tradução da pesquisa publicada originalmente em francês sobre o desenvolvimento das ciências sociais nos anos 1920 e 1930, no Brasil. Nele, Brochier recupera as várias pesquisas realizadas na Escola de Sociologia e Política, em São Paulo.  Como parte do lançamento do livro, o autor estará na FESPSP nos dias 22 e 23 de maio com atividade aberta ao público e reuniões entre pesquisadores brasileiros. Em comemoração ao aniversário, a Fundação promove ao longo do ano várias atividades de ensino, pesquisa e extensão, saiba mais em: www.fespsp.org.br

Christophe Brochier atua na Universidade Paris VIII Vincennes – Saint-Denis, desde 1999. Seus trabalhos tratam essencialmente da sociologia do trabalho e classes populares no Brasil e história intelectual brasileira. Participa ainda como pesquisador do Institut des Hautes Etudes de l´Amerique Latine (IHEAL) e Centre de recherche et de documentation sur les Ameriques (CREDAL).

Serviço
Aniversário de 85 anos da FESPSP
Lançamento do Livro: O nascimento da Sociologia no Brasil
Palestra: Christophe Brochier
Local: Campus FESPSP (Rua General Jardim, 522 – Vila Buarque – São Paulo/SP)
Quando: 22 de maio, às 9h.
Não é necessário fazer inscrição prévia
Imprensa: cadastro no e-mail carani@fespsp.org.br

Acesse FESPSP  

ARCABOUÇO ACADÊMICO | CURSO GRATUITO

CURSO - Três Poderes e Sociedade no Brasil - Curso III

Objetivos: “Três poderes e sociedade no Brasil” apresenta a estrutura dos poderes brasileiros: Executivo, Legislativo e Judiciário. Além disso, os professores debaterão com os presentes as competências, freios e contrapesos desses poderes.

Resultados esperados:
Atores da sociedade civil, partidos políticos, jovens e mulheres participam ativamente em instâncias e mecanismos de controle, bem como em espaços de formação da opinião pública.

Orientação e Justificativa:
A Oficina Municipal tem como uma das suas principais finalidades a promoção da cidadania, baseada em princípios éticos e humanistas. Entendemos que a participação política é fundamental para a construção do bem comum e da justiça social. O curso Cidadania e Política que vem sendo oferecido desde 2008 em parceria com a Fundação Konrad Adenauer tem como objetivo colaborar para que sejam postos em prática os processos, princípios e instituições democráticas e do Estado de Direito, incluindo o sistema partidário pluralista e a participação da sociedade civil.

O curso é voltado para a formação de lideranças políticas, representantes da administração pública, jornalistas, partidos políticos, estudantes, empresários e cidadãos que buscam maiores conhecimentos para atuar nos âmbitos sociais que estão inseridos. Nossa intenção é que eles encontrem nessa formação a motivação para se engajar social e politicamente.

Datas: 14.05, 21.05, 28.05, 04.06, 11.06.2018
Área: Cidadania e Política
Tema: Estado e Três Poderes
Carga horária: 10h
Público-alvo: Cidadãos interessados em política, líderes comunitários, políticos e partidários, gestores e servidores públicos, profissionais do terceiro setor, empresários, profissionais liberais, professores e estudantes universitários, jornalistas, assessores políticos, professores secundaristas etc.
(conteúdo disponível em: http://www.oficinamunicipal.org.br/cursos/8

Inscrições até 14/05/2018 
Acesse AQUI e faça sua inscrição 

quarta-feira, 2 de maio de 2018

ARCABOUÇO ACADÊMICO | DEBATE - CEDEM UNESP



  Marx 200 anos: Por onde começar a ciência?
Debate Cedem
9/05/2018 – 4º-feira – 18h30 

“À porta da ciência, como à porta do inferno”, escreveu Marx no final do prefácio de Para a crítica da economia política. Retomou a ideia, em tom mais sóbrio, no prefácio à primeira edição alemã de o Capital: “Todo começo é difícil, em qualquer ciência”. Como determinar por onde devemos começar? Não há ponto de partida sem pressupostos. Marx explica que partiu da mercadoria porque a exposição da ciência deve começar por algo que ocupe na Economia, posição nuclear análoga à da célula na Biologia. Se na Biologia é mais fácil “estudar o corpo desenvolvido do que a célula que o compõe”, na economia política ocorre o mesmo. É mais simples descrever os processos – divisão da população em classes, sua distribuição pela cidade, campo e litoral; os diversos ramos da produção, a exportação e a importação, a produção e o consumo anuais, o comércio, entre outros – do que discernir na forma-mercadoria o ponto de partida da exposição científica. Aqui termina, entretanto, a analogia biológica. A célula é uma realidade orgânica. Enquanto produto da história natural do planeta Terra, ela não tem dialética interna. É um coisa viva. A mercadoria, porém, tem duplo caráter: é uma coisa e também uma relação social inscrita nesta coisa. Por isso, “na análise das formas econômicas não podemos nos servir de microscópio nem de reagentes químicos. A força da abstração deve substituir-se a ambos. Quanto à sociedade burguesa, a forma-mercadoria do produto do trabalho, ou a forma valor da mercadoria, constitui a forma econômica celular”. A discussão do alcance e do significado desta duplicidade constitutiva remete ao âmago da filosofia marxista.
Expositores:
Prof. Dr. João Quartim de Moraes
– Doutor pela Fondation Nationale des Sciences Politiques da Academia de Paris; professor titular aposentado da Universidade Estadual de Campinas. Desenvolveu pesquisas e publicou artigos e livros nas áreas de história da filosofia antiga, teoria política, materialismo, marxismo, instituições brasileiras, entre outros temas.
Prof. Dr. Anderson Deo – Doutor em Ciências Sociais pela Unesp. É professor do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Ciências Políticas e Econômicas na Unesp, Câmpus de Marília. É Líder do Núcleo de Estudos de Ontologia Marxiana: Trabalho, Sociabilidade e Emancipação Humana (NEOM/CNPq). É pesquisador do Grupo de Pesquisa Cultura e Política do Mundo do Trabalho e do Grupo de Pesquisa em Pensamento Político Brasileiro e Latino-Americano, ambos cadastrados no CNPq. Atua como pesquisador colaborador no Instituto Caio Prado Júnior (ICP) e no Instituto Astrojildo Pereira (IAP). Desenvolve estudos sobre teoria política do socialismo, estado nacional e burguesia brasileira, objetivação do capitalismo no Brasil, sociologia industrial e do trabalho, entre outros.
Mediação:
Solange Souza
– Historiógrafa do CEDEM, possui graduação em História pela USP.
Debate Cedem
Marx 200 anos:
Por onde começar a ciência?
Data e horário: 09/05/2018, 4ª feira às 18h30;

Local: Praça da Sé, 108 – 1º andar (metrô Sé);
Informações: (11) 3116–1701

Inscrições gratuitas: http://www.cedem.unesp.br/#!/evento1 Transmissão on-line: www.tv.unesp.br/cedem

E-mail: eventos@cedem.unesp.br   
www.cedem.unesp.br
 / https://www.facebook.com/CedemUnespOficial

*Certificado de participação a ser retirado durante evento

(conteúdo disponível em: UNESP)